8 de março de 2010

Ser cabrão q.b!

Dou a minha alma a quem não recordar alguma das suas fases com o pensamento:"Que ridículo(a) que eu era!" Quem é que não se lembra dos tamagotchis, dos Nokia 3310, das calças da resina e da fubu? Qual é o rapaz de 10\13 anos que nunca teve uma paixoneta por uma prima ou algum familiar próximo? Qual é a rapariga que nunca desejou ter um surfista loiro enrolado nos braços dela? Todos nós já idolatramos algo que hoje, simplesmente, nos passa ao lado. 
A maioria de nós já tivemos uma admiração pelo estilo dread ao que depois passou para beto, e até mesmo do estilo gótico que mais tarde foi  substituído pelo retro. Pois é, em toda a nossa vida tivemos mudanças de extremos, mesmo que não tenhamos dando conta por elas. 
Eu, Edgar Alves, tal como todos os humano passei por enormes mudanças. Mudanças essas que foram visíveis aos olhos de todos amigos, familiares e conhecidos. 
"Passaste, do dia para a noite, da pessoa mais fraca, que eu conhecia, à mais forte que conheço neste momento."
Esta, era  a frase dita por todos eles. Depois de muitas lágrimas e muitos sentimentos rebaixados e destruídos, houve indubitavelmente, uma necessidade extrema de me assegurar num Mundo em que até os mais fracos vivem. 
Primeiro passo baseou-se em dedicar-me às redes sociais como hi5, facebook, entre outras de conhecimento comum. Mandar um comentário a esta, responder à aquela, troca de e-mails e mais tarde de números ao qual dá como resultado um aumento, significativo, da lista de contactos telefónica e uma auto-estima quase no topo devido aos elogios (verdadeiros ou por mera simpatia) de todo "bate -coro" que por ali se presenciava. É verídico, as redes sociais ainda são capazes de ajudar muita gente, apesar de ser dos poucos capaz de admitir.
Segundo, grande, passo foi a enorme mudança de imagem. All star's, calças largas, T-shirts básicas e cabelo exageradamente assapado e comprido deixou de fazer parte da minha vida. Todo aquele Edgar foi substituído por sapatilhas vistosas da Nike, T-shirts cheias de estampados, calças largas em cima e estreitas em baixo, um pouco de base e pó bronzeador e  sem esquecer de um cabelo cheio de volume provocado por secador e gel de efeito molhado.
Após estas mudanças, Edgar Alves já não passava por despercebido. Deixa de ser o pobre coitado, que sofria exaustivamente por amores não correspondidos, e tornou-se no "cabrão" que todas as pitas, pegas, e algumas, muito poucas, miúdas em condições conheciam.
Dia após dia o "sucesso" e a "fama" faziam parte da sua existência e finalmente sentia-se capaz de conquistar quem desejava. Sem compromissos sérios levou a vida a "cagar" para as preocupações, nunca vendo grande problema no que acontecia e só espera que o dia de amanha fosse melhor que o de hoje, e pior do que o depois de amanhã. 
Foi cabrão, foi estúpido, foi conquistador, foi exuberante e indestrutível mesmo sendo alvo de muitas críticas e boatos. 
Deixa de ser o rapaz que tinha crescido demasiado cedo, e transforma-se num típico jovem de 16\17 anos que poderia ter parte do mundo na sua mão. Hoje, com 18 anos fui conquistado, passei de menos exuberante a mais discreto e continuo a ter presença que sempre desejei mas de uma forma menos chocante e mais adequada. Sinceramente, pergunto-me qual das fases é que prefiro. Não sei se estar a reviver certos aspectos da minha adolescência com 15 anos é melhor do que do que ser o cabrão que fui com 17. 
Estou preso a tudo que tenho, e a tudo que eventualmente poderei perder. Não aconselho a nenhum de vós ser a puta da escola, mas a verdade é que um pouco de jogo sujo é que traz o divertimento e a adrenalina à nossa vida.

Posso não ter usado os termos  nem a pontuação mais correcta,  mas este post não é para ser bonito nem para ter palavras caras. É apenas um historial real , e espero que finalmente consigam retirar algo dela. Não vou chorar, mas tudo que escrevi é pura realidade e completamente ridículo. Tenho dito!

29 comentários:

MARIE disse...

adorei o texto!

acatarinamaçuca disse...

Ahaha, adoro quando dizes "Tenho dito"! *.*
Tivemos esta conversa no Mc, meu prícipe. Em tão pouco tempo já consegues fazer a diferença.

acatarinamaçuca disse...

*"... príncipe. Em tão pouco tempo já consegues fazer a diferença."

MARIE disse...

foi uma experiência no mínimo cómica. Porque nunca me tinha ouvido assim. E ainda para mais nas circunstâncias em que aconteceu.
Ás vezes também para e ouço o meu corpo, principalmente á noite. Gosto muito, mesmo sendo estupido.

acatarinamaçuca disse...

Aah, pois foi. Eu sabia que estávamos sentados a conversar e a primeira coisa que me veio à cabeça foi o Mc. Tens razão. Foi mesmo no Dolce Vita :D

CatarinaSousa disse...

E é esta a verdade! Fases passamos todas.
Acredito que admiro o facto de teres exposto isto de uma forma tão clara, e sem preconceitos,..

Fases são fases, apesar de haver sempre a mais marcante, são todas importantes, para formar a pessoa que hoje és. Aposto sem dúvidas, que és uma pessoa fantástica! (:

Beijinho*


(Adorei de igual forma o post anterior, que texto!+.+ )

MARIE disse...

é uma sensação estranha mas boa, ao mesmo tempo.

acatarinamaçuca disse...

Pois. Acho que todos passamos por estas fases todas!

CatarinaSousa disse...

Pois é verdade.

Eu já não sou tão capaz de o fazer, por partes talvez.. assim tão abertamente, só nos meus textos, naqueles que poucas são as pessoas que alguma vez terão acesso!

Força nisso Edgar.*

Niz disse...

Adorei o teu blog! De uma sensibilidade extrema! Muito bom mesmo :)

Revi-me em muita coisa neste texto e esta música fez-me revisitar muitos momentos na minha memória...

Fiquei fã, vou voltar mais vezes!

Boa continuação

diogo disse...

WOWOWOW!

subscrevo parte por parte.

alias, acho que vou associar este post a um que eu tenho, bastante identico

http://cuat-e-diano.blogspot.com/2009/12/rapazes-uns-cabroes.html

Marta disse...

São fases que nos irão marcar sempre. :)

Ps. (já ando algum tempo a passear por aqui, mas seguir-te ainda é uma conquista moço. Ainda não o consegui fazer! Bem, vais continuar nos favoritos (: )

Maria disse...

estou a lêr e ja tive o meu surfista, o damagocci LOL o 3310 as calças da resina

Maria disse...

o texto é ridiculo.
e também já tive fama da 'pega' na escola e depois? sabemos qem somos .tenho dito!

Catarina disse...

precisamos dessa mudança , sempre .

Sara Sá_ disse...

És quem és, somos quem somos e os outros que se f*.. Não interessa o que pensam ou dizem, importa sim, o que os teus amigos gostam de ti, os que eles menos gostam também e sinceramente interessa sermos felizes.. ao nosso jeito, à nossa maneira, sem restrições.. Nunca olhes para trás, porque tu és quem és e sobretudo és uma das pessoas que posso dizer AGORA, com toda a certeza, que mais me surpreendou, por tão especial que és.. Sim. Especial! :) Tenho dito*


ADMIRO-TE MEU QUERIDO*

Quero o meu abraçoooo :(


<3

Edgar Alves disse...

Da mesma forma que tu sara, dra sara, conseguiste surpreender-me a 100%. obrigado por tudo, quero-te comigo até ao teu ultimo dia naquela universidade! beijinho* <3 adoro-te

Anónimo disse...

desculpa, sigo o teu blog e gosto, mas se achas que ter montes de pitas sem cerebro atrás de ti é ter "o mundo na mão" tens que rever melhor a tua ética e a tua moral, tal tu, como toda a gente sabe que as pessoas que passam a vida no hi5, a comentar, a comentarem, a visitar e a serem visitadas são frustradas com baixa auto-estima, mas são capazes de por no nick que são reis e fazer textos a demonstrar uma alta auto-estima onde na realidade estão a apodrecer por dentro, as redes sociais são uma solução para aqueles com baixa auto-estima sim mas esses têm só uns momentos de "auge" de "climax" de auto estima mais elevada, no dia seguinte já estão podres outra vez e as pessoas que se acham "famosas" "populares" ou "conhecidas" só por terem muitas visitas no hi5 ou são mesmo burras, ou não conseguem encarar a realidade pois toda a gente sabe que esses factores não contribuem para nada de bom, nem felicidade, nem sucesso... Esta geração está doida, achamo-nos estrelas de Holywood só por termos umas roupas de marca ou mais de 20000 visitas no hi5, na verdade pouca gente quer saber de nós a sério

luisinha disse...

eu podia passar o dia a ouvir esta música, sabias?

Edgar Alves disse...

Caro anónimo antes de começar a "debater" e dar a minha opinião ao seu comentário, quero agradecer por acompanhar o meu blog e por referir que é do seu agrado :) Pretendo referir também que concordo parcialmente no que escreveu. Apesar de haver excepções, as pessoas que se dedicam com mais frequência às redes sociais realmente adquirem problemas com auto estima, mas existe outros que o fazem pelo simples gosto de conhecer pessoas com hábitos, culturas e interesses diferentes. É obvio que os utilizadores optam por colocar nos perfis mensagens que demonstram algum carisma e força interior, caso contrário não haveria ninguém com o interesse de visitar a sua página. tudo funciona como um jogo e cada um dá os visitantes o que eles procuram. A meu ver os que escrevem nos nick’s do msn, que são os reis e o topo de mudo não são os que tem imensas visitas no hi5, mas sim a maioria dos “parolos”. Não concordo consigo ao dizer que as pessoas que tem imensas visitas no hi5, acabam por não terem sucesso nem serem reconhecidas. A maioria dos utilizadores que possuem um certo numero elevado de visitas são aqueles que tem mais conhecimento, e mais acesso ao mundo artístico. Através desses conhecimentos, muito deles adquiridos pelas redes sociais, aparecem as novas oportunidades. Se reparar, são esses utilizadores que tornam-se artistas na área da dança, da musica, do cinema, do teatro e em especial da moda. Existe um interesse comum em todos eles: a fotografia e o seu reconhecimento. E se pessoas conseguem sentirem-se concretizadas e superar obstáculos através das redes sócias porque que não o deverão fazer? Aceito de qualquer forma a sua opinião e sei que há muita mais gente a concordar consigo. Mais uma vez, muito obrigado pelo seu comentário. Edgar Alves

Éme disse...

Todos temos fases .
E que fique aqui esclarecido , que o EdgarAlves tem mau estado de espirito ao Domingo , apenas por ser domingo :)

Adília disse...

Isto vai soar muito cliché , e muitooo repetitivo , mas adorei ! +.+

Enquanto fazia a minha 'ronda' semanal pelos blogs e 'dei de caras' com o teu blog , e vou seguir , ó se vou :)

Parabéns , adorei , adorei , adorei :)

Beijinho*

Diogo Sc disse...

Este Post está completamente de acordo com a realidade. Um dos melhores e maiores textos que li sobre a juventude e a sua realidade, basicamente.
Outra coisa significamente importante dizer-te que, a tua resposta ao "anónimo" está de longe uma resposta á altura!

Diogo Sc disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Suu disse...

Brutal Edgar, acho que pelo menos uma vez na vida, deviamos ser todos um pouco cabrões, com redes sociais ou não, deviamos.

ando-me a viciar completamente no teu blog :D

Ana Rei disse...

Soubeste contar a tua adolescência em poucos parágrafos! Adolescência esta que é parecida com tantas outras, mas esses outros não tem a mesma coragem que tiveste para escrever. Já li alguns textos do teu blog para além deste e fiquei encantada com todos, pareces mesmo Fernando Pessoa da actualidade.
Posso por o teu blog como um blog a seguir na minha Lista de Leitura?

Continua assim :D

marília gonçalves disse...

a Agyness Deyn é linda *.*
adorei o teu blog *

m.sunshine disse...

não concordo lá muito com isso das redes sociais. já tive, já cheguei ao extremo de "populariadade" por isso e de nada em serviu. apenas de conhecer um monte de gente que só liga ao fisico. e que é capaz de se me vir na rua de fato de treino não falar comigo só porque não estou apresentável [segundo eles].
em contra partida, conheci pessoas bastante interessantes que até hoje estão do meu lado. mas, em menor quantidade do que aquelas que recebi.

se, estás contente com o que és, então parabéns. eu quando estava a ir por esse caminho que foste, dei volta atrás e fiquei por onde estou. são estilos.

[não julgues que te critico neste comentário, não de todo. não te conheço para isso, mas achei bastant intersessante a maneira como te descreveste é que só falaste marioritariamanete da parte fisica e de atitudes. não da tua maneira de pensar. ah e continuo a dizer o amor próprio está em nós, não nos outros.]

Anónimo disse...

Só tenho uma coisa a dizer-te: És um paneleiro que não conhece os limites que podes ter. Espero que um dia sofras tanto como já o fizeste, pelos vistos, com certas pessoas.

És um gigalo gay, portanto?!

Saudações rectais