23 de fevereiro de 2010

Desisto!


Esta noite sonhei que pediste para voltar! Já perdi a esperança de encarnarmos um final como o do Diário de Bridget Jones. Desisto!

A minha mãe chegou de ferias da suíça, neste momento o Toblerone é o meu melhor amigo!

17 comentários:

acatarinamaçuca disse...

odeio esta palavra "Desisto!". faz-nos sentir fracos e aos olhos dos outros quando o dizemos é isso que mostramos. eu não acredito que vás desistir, Edgar. tenho a certeza que és forte, o suficiente, para pelo menos erguer a cabeça e pensar numa solução melhor. não queiras ficar pelo mais fácil! desistir é deixar de lutar e tu não és fraco a esse ponto, eu acredito.

acatarinamaçuca disse...

ontem deitei-me cedo - era quase 1h - mas depois ligaram-me e como pensei ser importante atendi. fiquei ao telemóvel até às 4:30h, para aí. normalmente deito-me por volta das 2h.

ontem, quando estava a escrever, imaginei-me precisamente no Porto, a estudar e a morar numa daquelas casas velhas, em ruas estreitas. é tão bom sonhar. quem me dera mesmo!

inês chaplin disse...

sabes que desistir á algo que nunca devíamos fazer. é mais forte que isto.
sabes que se precisares de falar, estou aqui está bem? <3

m. disse...

nem de inspiração precisas , o teu talento é natural (:
tal como não vou deixar que percas este interesse , é um mundo fantástico realmente , e um vício bastante saudável (:

ML disse...

bem, Edgar, um bom filme faz-nos bem - faz-nos sonhar - mas não passa de um filme, de algo irreal. não deves formar ideias e sonhos a partir deles. quanto ao teu «desisto»: os homens (isto é, nós, humanos) escolhemos o caminho da desistência porque nos parece o mais fácil e, por vezes, é aquele que nos leva à felicidade. mas nem sempre isso acontece. há casos em que, tempos mais tarde, sentes-te impotente e culpado por não teres sido capaz de lutar, naquela altura. achas que é mesmo o melhor a fazer?

inês chaplin disse...

essa pergunta é complicada, não te consigo responder a isso...

inês chaplin disse...

eu sei, obrigada :3

Tikazinha disse...

Gostei :)
às vezes gostava que tudo fosse como num filme que no fim tudo tem um final feliz mas na vida real não é assim :S
Pena nao?

inês chaplin disse...

lembro-me perfeitamente.
o sentimento é completamente recíproco :'}

ML disse...

e isto será mesmo o vosso fim?
não precisas de ser atleta para ser forte e ultrapassar todos os obstáculos, és o Edgar Alves e basta! bem, eu já percebi que não estás nas melhores fases e eu, provavelmente não sou a pessoa indicada para te ajudar, mas custa-me sempre ver alguém mal. sabes, tenho medo de estar a meter-me demasiado na tua vida - se o fizer, por favor, avisa-me! mas não me controlo porque sinto-me igualmente mal ao ver alguém assim.
sim, sou. gosto muito da tua maneira de ser e de expressar, por isso, sou e serei sempre uma seguidora assídua ao teu blog e a ti mesmo :) passo-te num beijinho as minhas forças, que ficarão inteiramente ao teu dispor*

acatarinamaçuca disse...

E mais uma vez as recordações a atormentarem-te :$ Edgar, por favor. Ouve a tua princesinha e pede a alguém que tas guarde num sítio bem escondido para que não tenhas acesso. Tenta viver sem elas. Custa-me um bocadinho ver-te assim em baixo mesmo sabendo que não podes fazer muito por isso. Recordações e sentimentos são sempre coisas difíceis de lidar, eu sei :$
Para mim este cenário que descrevi não faz parte de uma recordação mas de algo que sonho e ambiciono todos os dias. Gostava imenso de morar num estúdio assim!
Qualquer dia vais mostrar-me esses sítios fantásticos de que me falas :3

ML disse...

posso pedir-te uma coisa?

acatarinamaçuca disse...

Sei o que é isso muito bem. E também sei que as melhores recordações são as mais difíceis de lidar porque foram boas e todos nós fazemos questão de as ter bem presentes só que magoam. Eu sei que magoam.
Já fiz parte de uma linda história de amor que como todas as outras histórias teve um final. Não foi um final feliz e por isso tenho ainda uma pequena esperança que me diz que o verdadeiro final ainda está para vir mas custou muito e ainda não sou a pessoa que era e talvez nunca venha a ser. Temos que aprender a lidar com isso e com as boas recordações que ficaram porque se agora te magoam, acredita que um dia vão ser um grande motivo de orgulho por teres sido capaz de as pôr de lado para continuares a viver.

Sofia Beatris disse...

Desde que começaste com o blog, tenho vindo sempre aqui dar uma espreitadela. Cada dia que leio os teus textos, apercebo-me que pela escrita estás a mostrar ao mundo um outro Edgar Alves, não o edgar do hi5 ou das outras redes socias(aquele que tem não sei quantas fãs), mas sim um Edgar com alma, com sentimentos, mostras um pouco da pessoa que verdadeiramente és. Ao ler os teus posts, entende-se que este provavelmente não é o melhor momento da tua vida, porém vê se também que és um ser humano com força e garra, para atingir os teus objectivos. Texto após texto, vou ficando viciada nas tuas palavras. É surpreendente a forma como escreves, toca cá dentro, consegues transpôr os teus sentimentos para uma dúzia de palavras simples, mas profundamente carregadas de emoções. Parabens, tens talento, continua a escrever Edgar :')

Che-le disse...

nunca gostei da palavra "desisto", mas sou capaz de a dizer umas quantas vezes num dia consumida pela preguiça e outras tantas coisas

Maria disse...

da-me os toblerones masé :D E caga de alto para o resto

cláudia disse...

nunca desistas do que quer quer que seja (:
Gostei, vou seguir *