17 de julho de 2011

Apetece-me falar de ti Silêncio. Sim de ti, já te disse uma vez que és o meu melhor amigo e sabes perfeitamente que não gosto de repetir duas vezes a mesma coisa. Ok, estou novamente a exagerar e às vezes sou demasiado bruto contigo, mas sabes perfeitamente que não te troco por nada nem por ninguém. Prefiro confiar em ti do que no deslocado Barulho que me persegue todos dias. E sim, eu já percebi que ele tem qualquer coisa para me dizer, mas raios, por mais que tente não o consigo entender. Se ainda fosse como tu... que todas as noites está presente sem nunca ter falhado, ouves-me e observas-me com aquela peculiaridade que me arrepia e desperta aquele meu suspiro seco e profundo. Ainda agora, estás ao meu lado, encostado à minha almofada na outra ponta da cama, entrelaçado nos meus lençóis pretos com padrões estranhos e selvagens que a mãe me ofereceu. Apetece-me falar contigo mas... descansa, dorme em paz, deves estar cansado de combater a agitação do dia de hoje. Amanhã falamos novamente e eu sei onde te encontrar.
Um abraço.

Se o cão é o melhor amigo do Homem, o Silêncio também pode ser o meu.

2 comentários:

Rita Carvalho disse...

Escreves de uma maneira eficasmente cativante.
Muitos parabéns

Isabel disse...

eu também amo o silêncio. è confiável.