3 de março de 2010

Edgar Alves dá lugar aos heterónimos!


"Nem tudo o que digo, que escrevo e penso é o que faço. Desculpem, mas perante vós sou um actor social."



Tal como já tinha feito referência no baú dos segredos, nem tudo o que digo é relativo à minha pessoa. Vivo, com os meus heterónimos, num mundo imaginário que tem os seus dramas e os seus momentos de felicidade! Desculpem se vos desiludo, mas a ideia é escrever algo com que se identifiquem em vez de escrever exclusivamente sobre mim. E não, apesar de às vezes dar a entender, não perdi ninguém. 
Obrigado por toda o vosso carinho juro que agradeço do fundo do coração!*

Parece-me que vou perder muitos leitores depois desta confissão!

23 comentários:

disse...

tu deves viver ou em Lisboa ou no Porto, devias experimentar, asério.

diogo disse...

eich lol, sorry

ML disse...

mas dói quando a solução desse problema é esquecer.
p.s. jamais deixarei de seguir o teu blog, por isso, a mim quanto leitora nunca me perderás!

Segunda Pele disse...

nao discordo mas por vezes parece ser o unico verbo existente e acertado :x

diogo disse...

e a minha cidade preferida ;D

se nao for, mandas me uma francesinha

disse...

eu bem queria, mas como namoro, a minha avó e a minha mãe não me deixam! é uma tristeza.

CatarinaSousa disse...

Perder-me como leitora? ah, que piada Edgar! És fantástico, adoro como escreves e quanto a isso ..vou seguir sempre ;b

Por vezes também assumo um papel que não é o meu, por isso não te julgo mesmo nada! ;D

Segunda Pele disse...

obrigada!
O meu termo 'desisto' é mesmo uma escolha, um novo rumo porque senao for eu a toma-lo, quem o vai fazer? Entendes?
Nao deixas de ter razao.

diogo disse...

oh obrigado ;D

as ferias da pascoa e gouveiaaa

acatarinamaçuca disse...

Edgar, as pessoas que te seguem fazem-no pelo que escreves, independentemente de tudo ser real ou não! Escreves muito bem e de uma forma bastante interessante. Ninguem está cá para coscuvilhar a vida uns dos outros - ou se calhar está. falei por mim - mas sim para nos deliciarmos com aquilo que lemos! :3
Ah, foi um prazer ir conhecendo os teus heterónimos ;)

FLÁVIOMATA disse...

Não tem mal.
Hum, um dia experimento, obrigado pela sugestão :3
Concordo com o que dizes no post, há pessoas que devem pensar que nos entregamos completamente a este mundo, não pessoal.

inês chaplin disse...

a mim nunca me perdes, nem como leitora!
<3

acatarinamaçuca disse...

Ainda não tinha reparado na frase da tua imagem! Mas é verdade, não existe mesmo ;s

A Catarina fez este mini texto, numa folhinha de um bloco de notas que tinha, enquanto eu ensaiava e ofereceu-me no final do ensaio! Achei-lhe um piadão e apeteceu-me postá-lo. A Helena é a minha personagem. Ainda não te disse mas é óbvio que estás convidado a assistrir à peça que vai estar em cena em Abril - não sei qual é o fim-de-semana, ao certo.

Também queres ver? Podíamos ir antes amanhã. Eu e a Catarina estavamos a pensar ir amanhã, podias vir connosco. Faço 17 aninhos :3 *.*

telma c. disse...

eu também. ela tem uma voz tão linda!
gosto bastante desta música, e entendo bem o que dizes aqui dizes. é muito bom mostrarmos as nossas diversas facetas, porque elas fazem mesmo parte de nós, e é de longe o que torna as pessoas fascinantes (ups, demasiada dissertação). e não acho que vás perder leitores ;)*

acatarinamaçuca disse...

É no Externato. Acho que estreia dia 16 de Abril e fica em cena até dia 18 - pelos meus apontamentos! Depois vamos estar com a peça do ano passado na Casa das Artes que também gostava que fosses ver - desta não tenho datas nenhumas! *.*

À praxe? A que horas é isso? Oh, mas eu tenho que ir com a minha Catarina, Edgar :$

:'( Faz de conta que não disse nada. Eu prometo que também faço de conta que não sabia que tu sabias :b

pimpinha disse...

esta música é absolutamente divinal. e quem não gosta de se abstrair da própria vida para embarcar numa nova, imaginária, mais feliz ou até menos?

pimpinha disse...

e aí está o teu mérito. não escreves exclusivamente acerca da tua vida, há um mundo inteiro para ser descoberto, há um outro mundo para além de nós.
- obrigada, é sempre bom receber esse feedback :')

disse...

ter heterónimos e escrever para além da nossa própria vida é uma mais valia, acredita :)
e julgo que isso não é motivo para perderes leitores, é motivo para os ganhares. da minha parte, tão cedo não me perderás como leitora deste espaço *

FLÁVIOMATA disse...

Exacto, as pessoas criam uma imagem de ti, de um outro Edgar, que não és tu. Mas eu acho que deves ser tu próprio, pelo que já li, pelo que já percebi pareces ter uma boa personalidade.

acatarinamaçuca disse...

Combinado então :D Depois combinamos pormenores.

Carolina Jorge disse...

É estranho ver como tambem sou tantas vezes "actriz social", enfim. Talvez seja a vontade de olhar o reflexo do espelho e orgulharmo-nos, gostarmos no verdadeiro sentido do termo. Tal como isso, a vontade de que gostem de nós. Simplificar ao máximo porque mais vale entender um pouco do que entender exactamente o oposto. É a segunda vez que me intrometo :b

Anónimo disse...

O teu heterónimo é o Edgar engatatão de miudas... ya, toda a gente vê que isso não é verdade. Mas miudos gostas de engatar. Mete-te no teu lugarzinho insignificante e deixa os outros.

Saudações rectais

Anónimo disse...

''O teu heterónimo é o Edgar engatatão de miudas... ya, toda a gente vê que isso não é verdade. Mas miudos gostas de engatar. Mete-te no teu lugarzinho insignificante e deixa os outros.
Saudações rectais'' Isso é tudo inveja? É que nem o nome dás* O preconceito torna-te mediocre! Deves ser um simples coitado, que gostaria de ser como o Edgar escrever bem, ser inteligente e lindo, ou entao es uma putinha a quem o Edgar nao passou bola, sendo um ou outro nao passas de um coitado/a* Gente como tu estava bem era no lixo. Se nao gostas calas a boca e bazas daqui, ponto, nao tens nada que vir mandar bocas.
PS: Edgar começa a escrever novamente, faz-me falta ler-te*